> Elisa entre gotas de poesia: Dezembro 2017

Contos de uma transplantada



A LENDA DA FÊNIX
Sim, eu renasci como uma Ave Fênix.
Tudo começou no ano de 2014...
Fiquei hipertensa 26/19 de tanto estresse que passei por trabalhar na PMPA. Vida de professor não é fácil e eu como transplantada renal há 25 anos não aguentei o trampo! Não tinha resistência física e somente neste ano eu adoeci mais de 20 vezes (pneumonia, gripes, anemia)! Chegava em casa e só chorava e junto a tudo isso ainda tinha que escrever para o mestrado, corrigir provas e ficar noites sem dormir! E com isso minha função renal foi se indo...Comecei a perder muito cabelo e a me sentir muito fraca.
Não desisti! No ano de 2015 eu tentei a licença médica, mas ela me foi negada e tive que me exonerar e depois disso? Meu rim piorou muito. Eu ainda tinha esperança de reverter o quadro, pois somente as palavras CATETER E HEMODIÁLISE me faziam sentir vontade de morrer!
A creatinina subia e descia e eu sempre com fé que meu rim Rick (nome em homenagem ao cantor Rick Martin, que fazia muito sucesso no ano de 1991) iria resistir, afinal eram 25 anos de transplante (05.10.1991)!

Uma gaivota voando no céu



Uma gaivota voando no céu
Um pingo de chuva
Caindo sobre a pétala de uma flor
Um beija-flor namorando um girassol
Vento empurrando nuvens
Grama molhada
Devagarzinho
Já chega o sol
A chuva parou
O vento levou
A rosa desabrochou
Junto às violetas
Que acordaram bem cedinho
Para dizer bom dia
Estrada deserta
Um garoto ria
Comendo chocolate
Enquanto seu avô
Bebia mate
Uma gaivota no céu
Voando além das estrelas
E procurando
Sabedoria entre os planetas
Um menino
Andando de carrossel
Apaixonado
Pelo drama
De Romeu & Julieta