> Elisa entre gotas de poesia: Agosto 2016

A garota do guarda-chuva amarelo


O guarda-chuva amarelo voa, voa
Voa na chuva
Voa com a garoa
Está chovendo muito
E uma menina ri à toa
Com seu guarda-chuva amarelo
Todo colorido
É pulando cada poça d´água
Que ela fez
Um novo amigo
Que tem outro guarda-chuva
Cheio de cupidos
Mas quando ela chegar

Parabéns pra você

   



      Sábado é o meu aniversário, e estou ficando mais velha, trinta e cinco anos que passaram voando junto com mil folhas que caíram no outono e floresceram novamente na primavera, com fortes ventos que sopraram no inverno e muitos raios de sol vindos de um verão ensolarado. Muitos acham que o aniversário é sinal de envelhecimento, outros pensam que é tempo de amadurecimento e ganho de sabedoria e experiência. Para mim, fazer aniversário é um momento de festejar a vida, agradecer que um dia eu simplesmente nasci, seja do fruto do amor de papai e de mamãe,ou não, mas enfim...,eu nasci e hoje eu estou aqui escrevendo crônicas, contos e poesias! Não sei você, mas eu amo fazer aniversário, festejar com a família e com os amigos e comer muitos doces, principalmente negrinhos, nome que damos para esse doce aqui no sul ao famoso brigadeiro, ele engorda mas é muito saboroso. E é tão legal apagar as "velinhas" e ascender as "velhinhas"  e fazer um desejo que certamente um dia se realizará, pois um pedido de aniversário é sempre um pedido de aniversário.

Moleque de rua






Chega de violência
Essa demência descontrolada
É preciso ter paciência
Para andar nas ruas
E não ser assaltado
De noite
De manhã
E de madrugada
Movimento
Briga de carros
Atropelamentos
Avenidas sujas
Com tocos de cigarros
Ninguém aguenta mais
Essa balbúrdia
Essa tumultuação
Bandido que é bandido
Deveria cumprir pena
Dentro da prisão!

Brasil mostra a tua cor





Ninguém aguenta mais essa sensação de
Insegurança
O povo está com medo
O povo ainda tem esperança
De uma utopia
Igualdade social
Mas ninguém aguenta mais
Essa intolerância
E impunidade criminal
Com tanto marginal
Eu escuto no rádio
Eu leio no jornal
É bandido assaltando
E matando policial

Letras de música


                                                       



Quero você

Foi nos meus sonhos
Minha realidade que eu vi você
Foi de repente
Estava carente
Sem perceber
Não sei aonde está você
Não sei o que eu vou fazer
Só sei que quero amar você
Sente o perigo
É bom estar contigo
Quero você
É meu destino, meu anjo querido
Meu bem querer
Quero ficar ao amanhecer
Te beijar, te deixar louco
Deixar viver
Nunca mais eu vou te esquecer
Vem cá comigo
Para de sofrer
Sente o perigo é bom estar contigo
Quero você

Composição poética musical
Letra e melodia: Elisa Pacheco




O inverno e suas poetices





Você gosta do inverno?
Prefere o calor ou o frio?
São tantas nuvens que até o sol se escondeu
Sumiu
De repente
Vem aquela chuva
E nebulosidade
O branco fino da neve
Cobre as flores e as folhagens
Ai que frio
Um arrepio
Quanta umidade no ar
O vento é de congelar e rachar os lábios
Até os sábios encasacaram seus pensamentos
Que mudança de tempo!