> Elisa entre gotas de poesia: Setembro 2015

Lua







Lua cheia
Lua nova
Lua brilhante no céu
Que acompanha o movimento dos teus olhos
Dos teus olhos cor de mel
Lua das damas
Lua que engana, me ama, me chama
Lua das mucamas
Lua do véu
Que toda tímida e envergonhada
Se esconde atrás das nuvens do céu
Lua de mel
Lua minguante
Dos lírios
Dos cílios dos amantes
Lua brilhante!

Primavera pintada








Primavera
Chegando
Afastando o vento
Frio e fresco do Outono
Levando embora aquela
Chuvinha fininha que cai
Cai e traz o sono
O sono e um café
Com leite morno
Primavera
Vem florindo as ruas
Cobrindo e colorindo os arvoredos
Com seus perfumes
Com seus segredos!

Lindorella










Lindorella quer se arrumar
Varre pra cá
Varre pra lá
Lindorella quer casar
Com um príncipe encantado?
Sim!
Não?
Será?
Lindorella quer mesmo
Encontrar um namorado!
Afinal...
Ela ainda está no colegial
Tem quase dezesseis anos
E ainda não beijou nenhum sapo?

O vampirinho que tinha medo de tudo









Era uma vez...
    Um vampiro que tinha medo de tudo. Meio morcego, meio menino, ele ficava assustado com qualquer barulho ou rugido estranho. Os passarinhos não podiam nem cantar, nem os esquilos catar nozes para a geada do inverno. Qualquer barulhinho poderia assustar aquele vampirinho de terno roxo. Ele tinha medo do escuro, de fantasmas, dos quadros pendurados na parede que pareciam mexer os olhinhos pra lá e pra cá. O vampirinho tinha medo até de espirrar, porque o castelo era gigantesco, e qualquer ruído poderia ecoar e acordar a múmia que dormia silenciosamente em sua tumba. O vampirinho estremecia, rangia seus caninos até quando o sino do relógio marcava meia-noite fazendo ding-dong. Ele se escondia embaixo dos lençóis de sua cama-caixão quando ouvia os gritos do King Kong, ou quando via a sombra do Bicho Papão passar pelo seu quarto. Qualquer assovio era motivo de arrepio!