> Elisa entre gotas de poesia: 2014

O amor mora comigo





Ai,o amor...
Suspiros, acho que estou
Apaixonada,
Vivendo um quase
Lindo e romântico
Contos de fadas!
Quase, por quê?
Bom, eu posso
Dizer!
Casar não é tão
Simples e fácil
Assim!
Ah não?
Por quê?
Tem os afazeres do lar
As contas a pagar,
Correria pra cá e
Pra lá, mas com o
Amor, tudo pode
Melhorar!

As cores da vida







      A nossa vida é uma imensa aquarela, e nós somos os donos dos pincéis para pintar os nossos próprios quadros. Cada um pinta o seu retrato como quer, e podem ser feitas as mais variadas pinturas! O pincel indica o traço, a textura, a direção e a cor que devemos seguir para achar o guache e a têmpera certa! Cada tintura tem o seu relevo, a sua forma de ser no espaço, assim como a vida, que se adapta e muda como cada gota de tinta que cai num "pedacinho azul de papel". Podemos desenhar o bem ou mal, é o pincel que vai mostrando a dinâmica de cada movimento! Ele pode ser como um trem veloz que atravessa o tempo, ou como uma larva se rastejando recém saída de seu casulo! A pintura é o casulo de nossas vidas! Dela tudo pode nascer, crescer ou morrer, tudo vai depender da sua representatividade...

E se eu morresse amanhã?


E se eu morresse amanhã?
Já dizia Álvares de Azevedo,
Será que medo, eu teria?
Ou será que eu tentaria,
Buscar a harmonia da alma?
E se eu morresse de verdade,
Ou de mentira, quantas dores e
Margaridas, eu deixaria pra trás?
Encontraria eu, a paz?
O que é a morte?
Senão a sorte de viver
Mais um pouquinho!

Se eu morresse amanhã
Morreria ouvindo Toquinho
Com a sua aquarela de criança!
Toquinho sabe como bailar a
Infância!

O amor não tem preço






       Certo dia eu me deparei com uma senhorinha falando de amor...Ela parecia estar entre os seus oitenta e poucos anos..., mas eu não sei se ela estava falando de amor, o sentimento propriamente dito, ou de uma relação de gênero e sexualidade. Pois bem, estamos no século XXI, era da contemporaneidade, do tablet, tempo das redes sociais, das câmeras, dos cliques virtuais, das fotos e de tudo mais.  Entre tantas tecnologias, algo me chamou a atenção, quando essa senhorinha  discursava sobre esse tal de amor. Segundo ela, um rapaz, um jovem de aproximadamente vinte e poucos anos, não teria nada a oferecer a uma possível paixão platônica. Sendo que, essa paixão já não seria mais tão platônica assim, pois parecia que a relação já teria sido consumada e rompida há algum tempo.

O que vale é ter um coração sincero



       O rei queria casar o seu filho mais velho e para isso, ele resolveu fazer um grande baile  e convidou todas as princesas de seu reino. Todas ficaram muito felizes porque queriam muito encontrar um príncipe bonito, charmoso e elegante. Mas o rei colocou uma condição: o seu amado filho apenas se casaria com a princesa que tivesse a flor mais bela de todos os jardins. Assim, a vossa majestade deu a cada dama uma semente para ser cultivada. Aquela donzela que trouxesse a flor mais bela, então se casaria com o príncipe. Chegou o dia da festa. Todas as lindas moças estavam ansiosas para saber quem seria a grande vencedora do coração real. Cada uma trouxe a sua flor. Uma trazia uma margarida, outra um girassol, outra uma rosa, violetas, tulipas..., nunca o rei tinha visto tantas flores em seu salão dourado. Mas havia uma princesa que não tinha flor nenhuma. Ela apenas trouxera em seu vaso a semente que o rei havia lhe dado. 
        De repente, as outras princesas começaram a debochar dessa pequena dama e as suas risadas começaram a se espalhar por todo o salão. Antes de iniciar o baile e a comilança, porque todos já estavam varados de fome, o rei queria anunciar a grande vencedora da festa. Quem será que se casaria com o príncipe?
        –  Menina dos cabelos dourados com os olhos cor de mel, de vestido rendado, venha cá. – disse o rei.
     – Eu, rei da França, anuncio que tu és a escolhida para ser a princesa deste baile, enfim meu filho encontrara uma mulher sincera!
      Ninguém estava entendendo nada. Afinal, a princesa que não trouxera flor nenhuma havia ganho o concurso e se tornaria uma rainha? O rei explicou:
      – Para tudo na vida há uma explicação. Quando eu anunciei que meu filho mais velho queria se casar, eu dei a todas vocês uma semente para que fosse cuidada, e aquela doce donzela que trouxesse a flor mais bela seria a escolhida..., certo? Acontece que a semente era estéril, nunca poderia dar flor nenhuma, e a única princesa que não mentiu e trouxe a semente intacta foi esta menina. -  apontou o rei.
       – Tu tens o coração sincero e por isso o meu filho te escolherá para ser a vossa rainha. - disse o rei.
      E assim o baile continuou, todas as outras candidatas foram embora tristes e decepcionadas, pois findara o seu conto de fadas! E a princesa dos cabelos dourados? Esta dançou a noite toda feito uma bailarina florida muito feliz!



Cordel do dia das Bruxas








E agora eu vou lhe dizer,
É dia de assombração,
Quando cai neve nos EUA,
Aqui faz um calorão!
No Brasil essa cultura
Não é muito praticada
Mas por aqui muita gente
Acredita em mistérios e
Contos de fadas!
Os homens querem as suas
Princesas em noites
Enluaradas, mas
As moças viram
Vampiras quando
Estão enfeitiçadas!                          
   

Era un Sogno o un` Incubo?






       Era una bella mattina di sole, mi ero svegliato felice perché il giorno prima avevo trovato un biglietto vincente della lotteria! Ho sorriso molto e la prima cosa che ho fatto é stato comprare una limousine, una villa con un enorme divano e con un maggiordomo di nome Francesco. In questo giorno, ho comprato anche una cassaforte e ho messo il biglietto dietro. Per rilassarmi e godere il mio giorno milionario sono andato a fare un bagno in piscina. Francesco ha anche preparato un succo di frutta, quando ho sentito un rumore ... Sembrava essere di vetri sul pavimento, subito, mi sono ricordato del mio biglietto, e terrorizzato, sono andato senza pantaloni per trovare il mio raro smeraldo, perché avevo scambiato i soldi per gioielli, come l'Impero del romanzo. Quandoho visto, sembrava come se tutto stesse in ordine, ma non ho capito niente, Tony Ramos era il mio vicino di casa, ha aperto la finestra, e ha detto: Caro prof, questo è per la tua simpatia! Nel mezzo del corridoio inizia una canzone e mi metto a ballare, ma ho bisogno di trovare il mio biglietto fortunato, perché ora sono un milionario! Subito, un  ET Verde viene e dice che la pietra verde è il loro cibo, e la mangia di fronte a me!. Io urlo, no, ero povero! Mi sveglio, era un sogno o un incubo. Guardo di fianco a me, sta  quell´ ET  in fuga in nella nave con i miei soldi nella pancia! Sono uno sfortunato! Francesco arriva e mi offre un tè! Io gli dico: abraccia mi amico, tu sei amato da me? Francesco dice: Si, signore, io sono amato da lei! Adesso, beva tutto per rilassarsi, forse domani, dispone di un altro sogno in cui è ricco di nuovo! Bravo! 





Sei que já passou o dia do professor







Eu sei que já passou
O  dia do professor,
Mas eu preciso falar
Com amor e dor
Sobre essa data
Tão prestigiada!
Prestigiada, ou
Cansada de sofrer
E implorar seus direitos?
Pois é, professor
Ensina português, matemática
Mas a sua prática precisa
Ser mais valorizada!
Sair do papel, de um
Belo conto de fadas,
Que de belo não tem nada!
Fora a profissão de lecionar
Que como diria o velho
E o bom italiano è stupenda!
Mas, estamos no Rio Grande,
Terra de gaúcho e de prenda,
Do bah, do tchê e do chimarrão,
Presta atenção professor!
E fala mais da nossa
Cultura!
Ensinar menos na sala de aula
E mais lá fora
Na rua!
Até pode ser uma loucura
Falar de Halloween, mas
Enfim, está na moda
Falar de vampiros, fadas e bruxas!

Estressada








Eu estava meio estressada,
Meio que endoidando por aí...
Pois é, dona guria, quem mandou
Fazer tanta coisa junta, misturada e
Ao mesmo tempo?
Saturada?
É quindim, é pastel, é boneca...
Até panqueca doce
Tu inventaste a fazer,
E depois mulher, não quer pirar?
Enlouquecer?
Estuda, trabalha, namora, e limpa
A casa todo o dia,
Para um pouquinho, chama a
Mordomia!

Joga Fora!

O que você jogaria fora se não fosse usar mais?
Comida, bebida, barriga, lombriga, formigas no chão?
Tapetes, verbetes, trombete sem som?
Jogaria fora suas roupas?
Suas ideias insensatas, loucas?
Jogaria fora um beijo na boca?
Uma saudade, uma despedida?
O que não cabe mais na sua vida?
Sapatos, garrafas, latas, traças no armário?
Você jogaria fora todo o abecedário e aprenderia uma nova língua?
Ou compraria um dicionário e jogaria fora velhas palavras?
Palavras cantadas, usadas, rimadas, faladas, trocadas...
Jogo fora tudo o que eu aprendi,
Até o dia em que nasci,
Jogo fora o mundo, jogo fora a vida,
Jogo fora papéis, sentimentos e lápis coloridos,
Jogo fora o amor do cupido,
A briga com o marido e um
Conto de fadas nunca vivido!
Jogo fora a paixão, a morte, jogo fora
O esporte, essa mania doida de querer
Sempre emagrecer!
Jogo fora a beleza, o dia, a noite,
A religião,
Jogo fora as minhas ideologias,
Jogo fora a minha opinião!
Jogo fora as meias, os tênis, o sabão,
Jogo fora o supérfluo, o inverso, o inverno,
O verão!
Nossa, quantas coisas a se jogar fora...
Jogo fora a verdade, a idade,  a soneca,
A viagem!
Jogo fora o voo, a partida e a chegada,
Jogo fora aquela antiga namorada!
Jogo fora os livros, os cadernos, os brincos
E um corte de cabelo,
Jogo fora o novelo, o brinquedo e o
Cachimbo, joga fora o jornal, a revista
E o bingo!
Jogo fora também as canetas, as metas e os
Desvaneio, jogo fora o luxo e o reflexo
Do espelho!
Jogo fora uma mentalidade esquecida,
Jogo fora as margaridas secas na janela,
O sonho de ser Cinderela e quem sabe uma
Miss Brasil!
Jogo fora meus guardanapos, meus trapos,
Meu barril de invenções,
Jogo fora tudo, jogo fora nada,
Jogo fora o agora, o ontem e o
Amanhã!
Jogo fora a casca da banana,
A casca da maçã.
Meus gestos incompreendidos,
Jogo fora tudo que já passou
Para ousar novas vivências e flutuar
Sobre outras perspectivas!
Quem nunca jogou nada fora,
Vive de entulhos e amontados
Perdidos!
É comum, é legal jogar coisas fora por aí...
Até o corpo humano joga fora o
Cocô e o xixi!
Precisamos nos renovar e respirar novos
Ares,
Descer outras alamedas,
Jogar fora nossos nomes e
Incertezas!
Joga-se fora tudo o que não lhe cabe mais!
Troque de rumo, troque de arte,
Jogue fora até o seu telefone, o
Seu endereço, jogue fora
Quem você é!
Jogue fora a culpa, o pecado,
Jogue fora o chicle!
Só não jogue fora a mudança,
Porque é graças a ela, que você
Todos os dias, joga alguma coisa
Fora!

Como é bom ser mulher







Como é bom ser mulher
Guerreira, faceira,feiticeira, pioneira, cheia de graça,
Cozinheira, médica, parteira,
Coveira, mulher de raça, de massa,
Mulher do povo, do velho, do novo,
Mulher contemporânea, que faz tudo,
Que cuida do marido, dos filhos, do emprego e
Do mundo!
Mulher que estuda, que não se cala,
Que fala, não fica muda,
Ela tem opinião!
Mulher de gueto, de rua, fanqueira,
Que rebola, que samba,
Que arrasa um quarteirão!

E o velho brigadeiro de panela continua o mesmo





Certo dia, eu abria a janela e a minha mãe gritava:
- Olha o brigadeiro de panela!
Como era bom, eu lambuzava os beiços e comia cada raspinha...
Mas daí, veio a tal da tecnologia e trouxe o microondas, o tablet, o computador, e tudo de repente se modernizou. Ou melhorou? 
Na minha infância tinha o vídeo cassete. Depois vieram o discman e o disquete, mas esses dois ficaram lá pra trás com a chegada da famosa pen drive! Agora tudo é assim, geração 3D. Antigamente, não tinha nada pra comer..., hoje, em apenas um click, eu peço uma pizza online. E essa tal de tecnologia muda tudo, muda até os sonhos de um adolescente! Se nos anos 80 e 90 eu sonhava em ter um telefone sem fio, hoje é tudo virtual, até o teclado está fora de moda. Sim, teclar com os dedinhos já era, esquece...E eu..., que reclamava que os meus pais não eram digitais...Socorro!!! Por favor, alguém aí me empresta um mouse? 
E o velho brigadeiro de panela era tão bom e continua o mesmo! Têm coisas que a modernidade não muda. As mulheres continuam andando de vestido e os homens de bermuda! Mas, há controvérsias! E a pipoca? E o bolo assado no forno? Ainda carregam aquele gosto e sabor de um Domingo à tarde. Mas, você, que tem uns 30 anos, ou já é "trentanni" como diz a romântica língua italiana, sabe o que significa um carrinho de lomba, brincar na rua, rebobinar e assoprar fitas de videogame. Nessa época, nem imaginávamos que um dia chegaria esse tempo em 3D, 3G, 4G, pois a gente só pensava em brincar, dormir, comer e ver TV. É claro, comer o delicioso e velho brigadeiro de panela. Hoje, vivemos na era da comida industrial, dos congelados e dos famosos Fast Foods! Engraçado... Eu ainda me lembro que eu ficava em casa, na cozinha, girando a panela da pipoca...Hoje, todos os dias eu acordo, quando o despertador do meu celular toca, e como toca! Parece que é pra me avisar que eu vivo na Contemporaneidade, que eu sou um ser contemporâneo.

Marchinha de Carnaval






Hoje tem Carnaval sim senhor,
Tem lá na Bahia, chama o pai, chama a tia
Meu bem, chama toda a família!
Vamos comemorar, dançar e fazer festa,
Carnaval é só curtição, pegação, tem paixão de verão,
Vem cair na folia, veste a sua fantasia,
Ao abrir a janela, eu quase morri de rir
Com a coreografia da vizinha!
Tem axé, tem frevo, tem samba,
Tem até maracatu, mexe o corpo, vem rebolar,
Larga o pudim e o sagu!
Carnaval é só alegria, faz sorrir até
Um velho ranzinza, pena que a nossa festa
Acaba na quarta-feira de cinzas!

E se eu fosse uma planta?






         E se eu fosse uma planta? Será que todos os meus problemas se resolveriam? Foi isso que passou de súbito em minha cabeça, quando eu passeava de carro no banco do carona. Não era eu quem estava dirigindo, por isso, meus pensamentos eram mirabolantes e fantasiosos! E quando eu olho para fora, eis que me deparo com um canteiro repleto de flores e plantas que tentavam disfarçar a sujeira do concreto. Por um momento, eu queria ser uma daquelas plantas. Não sentiria mais tristeza, nem angústia, nem dor, nem medo de perder alguém, ou até mesmo o meu próprio emprego! Certamente, se eu fosse uma planta, alguém me acolheria, me daria bom dia e me regaria com a água da torneira.

Artigos e trabalhos acadêmicos



Título do periódico/revista: A presença feminina nas letras, na história, na educação II: um olhar brasileiro (2013)

 Artigo:        

  A presença do feminino na cultura contemporânea: Engendrando corpos e feminilidades (Elisa Pacheco).

http://seer3.fapa.com.br/index.php/arquivos







Título do periódico/ revista: Mobilidades Culturais (2011)

Artigo:

A mobilidade cultural e seus processos de simbolização e subjetivação nos espaços de cibercultura (Elisa Pacheco). 






Teus olhos cor de mel









Minha vida, minha terra, meu céu,
Tudo o que eu posso enxergar,
São esses teus olhos cor de mel!
Nesse deserto fumegante que é o sertão
Tudo que eu preciso é sentir teu coração
E voar sobre esses teus olhos que me encantam e me
Seduzem de aconchego!
Quando eu olho pra ti, já não tenho mais medo,
Já não sinto mais pranto nem dor, tudo que eu preciso
É me afogar nesses teus olhos cor de mel de amor!
Mais que uma escultura, esse teu olhar me invade
Com tanta ternura e bravura,
Bravura de quem sabe amar a sua terra, o seu chão!